top of page

A Série "Interfaces da Educação Especial” se propõe como espaço democrático de reflexões, debates e práticas no âmbito da Educação Especial, na Perspectiva da Educação Inclusiva. Volta-se para aqueles que pensam, pesquisam e/ou atuam no campo da Educação Especial. Serão foco da Série “Interfaces da Educação Especial” pesquisas empíricas, teóricas, estudos críticos, produções de grupos de pesquisas e produtos derivados de eventos acadêmicos, científicos e culturais. Ao escolhermos o título da série “Interfaces da Educação Especial”, buscamos dar foco a palavra Interface, cujo significado se refere a interação de “coisas diversas”, tomando como “coisas diversas” os diferentes atravessamentos da Educação Especial: recursos, estratégias, políticas educacionais, tecnologias, adaptações, práticas, desenho universal da aprendizagem, formação de professores, atendimento educacional especializado, entre outros, voltados para o público-alvo da Educação Especial. Como espaço democrático, a Série “Interfaces da Educação Especial” receberá propostas de autores/as das diferentes nacionalidades e idiomas, desde que aceitas pelo Conselho Editorial. Sob o signo do diálogo, a Série é criada com aprovação dos Programas de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem (Unesp, Campus de Bauru) e em Ensino e Processos Formativos (Unesp, Campus de Ilha Solteira, Jaboticabal e São José do Rio Preto). 

DIRETORAS

Carina Alexandra Rondini

(Universidade Estadual Paulista)


Ketilin Mayra Pedro

(Universidade Federal de São Carlos)

 

COMITÊ CIENTÍFICO EDITORIAL

Adrienne E. Sauder

(King’s University College at Western University - Canada)


Alberto Rocha

(Instituto Superior de Ciências Educativas do Douro - Portugal)


Alexandra Ayach Anache

(Universidade Federal de Mato Grosso do Sul)


Andréa Carla Machado

(Centro de Pesquisa e Desenvolvimento Infantil)


Altemir José Gonçalves Barbosa

(Universidade Federal de Juíz de Fora)


Bárbara Amaral Martins

(Universidade Federal do Mato Grosso do Sul) 


Cristina Maria D’Antona Bachert

(Universidade de Sorocaba)


Denise Arantes-Brero

(Núcleo Paulista de Atenção à Superdotação)


Elisa Tomoe Moriya Schlünzen

(Universidade Estadual Paulista)


Jáima Pinheiro de Oliveira

(Universidade Federal de Minas Gerais)


Klaus Schlünzen Junior

(Universidade Estadual Paulista)


Marta Liliana Sipes

(Universidad de Buenos Aires)


Moema Gomes Moraes

(Universidade Federal de Goiás) 


Relma Urel Carbone Carneiro

(Universidade Estadual Paulista) 


Rita de Cássia Barbosa Paiva Magalhães

(Universidade Federal do Rio Grande do Norte)


Suzana Graciela Pérez Barrera

(Universidad de La Empresa - Uruguai) 


Shirley Silva

(Universidade de São Paulo)


Tatiana de Cássia Nakano

(Pontifícia Universidade Católica de Campinas)


Vera Lúcia Messias Fialho Capellini

(Universidade Estadual Paulista)


Simone Aparecida Capellini

(Universidade Estadual Paulista)


Rosângela Gavioli Prieto

(Universidade de São Paulo)

Obras publicadas na Série Interfaces da Educação Especial:

Normas para submissão de livros na série:

 

A série aceitará submissão de proposta de livros de autores de qualquer nacionalidade, desde que apresentadas em português, espanhol, inglês ou francês. Serão recebidas propostas de manuscritos de livros, na qualidade “autoral” ou “organização”, que atendam à proposta editorial norteadora da série Interfaces da Educação Especial.

 

O procedimento de avaliação obedecerá às seguintes etapas:

 

1. Análise da forma: os textos serão submetidos à leitura dos editores e avaliado quanto a sua adequação aos critérios gerais da série, assim como a um controle mínimo de qualidade textual (ortografia, formatação, citações, referências etc). As propostas consideradas não aptas serão devolvidas aos autores com a sugestão de que sejam reformuladas, para efeito de nova submissão e avaliação em outra oportunidade. Os trabalhos considerados aptos seguem para a fase seguinte.

 

2. Análise do mérito por pares: nessa fase, a proposta é encaminha, sem identificação do autor a, no mínimo, dois pareceristas da área temática específica do trabalho (membros do corpo editorial científico ou convidados ad hoc). A avaliação considerará os seguintes critérios: contribuição para a área; originalidade do tema e/ou do tratamento dado ao tema; consistência argumentativa; rigor da abordagem teórico-metodológica; qualidade geral do texto. Os pareceristas podem aceitar plenamente o manuscrito, aceitar solicitando reformulações ou recusar. Qualquer uma das hipóteses é justificada por um parecer consubstanciado. Quando os dois pareceristas recusarem o manuscrito, o mesmo será devolvido ao autor. Quando os dois pareceristas aceitarem o manuscrito, ele passará à fase seguinte. Quando um ou os dois pareceristas solicitarem reformulações, o manuscrito será devolvido ao autor, solicitando que o mesmo considere os pareceres e reformule sua proposta. Ao reenviar sua proposta reformulada segundo as sugestões dos pareceristas, a mesma será reavaliada e passará à fase final.

 

3. Revisão e adequação final do trabalho às normas editoriais da Editora Fi. Caso necessário, o manuscrito será encaminhado ao autor com as sugestões de correções e adequações finais, a fim de ser finalmente encaminhado à publicação.
 

4. Proposta final para publicação. Após os ajustes finais pelo(s) autor(es) o livro será finalmente encaminhado à publicação, após aceite da proposta formal com constando dos custos para editoração – conforme política da Editora Fi (vide menu “Como Publicar”).

 

Em função desse procedimento, solicitamos que o nome dos autores não apareça no corpo das propostas. Pede-se também a eliminação de trechos que prejudiquem a garantia de anonimato da avaliação e de dados de identificação nas propriedades do documento.

 

As propostas de livros devem ser apresentadas por pesquisadores, professores e/ou pós-graduandos (mestrandos ou doutorandos). Os capítulos do livro não necessitam ser inéditos, desde que tenha sido publicado em periódico indexado, todavia deverá ser informado, em nota de rodapé, onde foi publicado anteriormente. Os capítulos do livro podem ser de autoria individual ou coletiva, sendo que, ao menos um dos autores deverá ter vínculo com instituição de ensino superior.

 

O prazo máximo para análise das propostas será de até 60 dias, a partir da data do recebimento.

 

Para submeter seu original a este processo, devem ser enviadas aos editores da série Interfaces da Educação Especial:

 

  • Formulário de submissão do manuscrito;

  • Uma breve apresentação do livro (formato livre, no máximo duas páginas);

  • Arquivo com versão não identificada do manuscrito do livro.

 

O manuscrito do livro deverá ser submetido em um único arquivo, formatado de acordo com as normas da APA, obedecendo as seguintes especificidades:

 

  • Formato doc ou docx;

  • Papel formato A4 na orientação retrato, cujas margens devem estar definidas em esquerda e direita  3 cm, superior e inferior em 2 cm;

  • A fonte padrão é a Arial ou Times New Roman no tamanho 12 regular para o corpo do texto, 14 em caixa alta para os títulos, 12 em caixa alta para os subtítulos 1,  12 em negrito para os subtítulos 2, 12 regular para os subtítulos 3 e tamanho 10 para as notas de rodapé;

  • As páginas deverão estar numeradas (canto superior direito);