Vamos usar quadrinhos em sala de aula? Os super-heróis invadem a escola

Páginas

137

ISBN 

978-65-5917-457-7

DOI 

10.22350/9786559174577

Vamos usar quadrinhos em sala de aula? Os super-heróis invadem a escola

Gelson Weschenfelder

Pode até parecer estranho que no ambiente acadêmico alguém dedique anos de sua vida a pesquisar e produzir textos sobre as histórias em quadrinhos de super-heróis. Poderia ser perda de tempo, se considerássemos que tais histórias se restringem à função de entretenimento do grande público e, principalmente, do público infantojuvenil. Mas não é bem assim, nem tampouco poderia parecer assim, pelo menos se for levado em conta tudo que já se investiu na difusão dessas histórias, seja na sua forma impressa, clássica, seja na forma das mídias eletrônicas mais recentes. Há, seguramente, algo para além do imediato. Sem falar que há um crescimento de pesquisas no âmbito acadêmico com o tema histórias em quadrinhos. Nesse algo mais, historicamente associado simplisticamente ao imperialismo cultural americano, existe mais profundidade do que acusam as leituras ideologicamente apressadas, embora elas tenham o mérito de desmascarar a farsa da neutralidade ou da inocência dos ensinamentos dos super-heróis. A partir da colaboração da leitura crítica como algo positivo e já muito explorado em trabalhos acadêmicos na área da Educação, optei por voltar o meu olhar para aspectos ainda pouco explorados da história deste tema e seus desdobramentos em outros que vieram aparecendo aos poucos, desde o final da última década do século XX até o início do século XXI.

Gelson Weschenfelder é Pós- Doutorando no PPG de Processos e Manifestações Culturais na Universidade Feevale (Bolsista CNPQ/PDJ). Doutor em Educação na Universidade La Salle (2017); Mestre em Educação pelo Centro Universitário La Salle - UNILASALLE (2011); graduado em Filosofia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS (2007). Vencedor do 29º Prêmio Jovem Cientista promovido pela CNPq, ficando em Terceiro colocado na categoria Doutor/Mestre com a tese “Os super-heróis das histórias em quadrinhos como promotores de resiliência em crianças e adolescentes em situações de risco”. Pela mesma pesquisa recebeu o Prêmio Rede Sapiens de divulgação científica e Sua Pesquisa em 3 Minutos, ambos em 2021. É autor de vários artigos acadêmicos com o tema filosofia nas páginas das histórias em quadrinhos de super-heróis e do livro Homens de Aço? Os super-heróis como tutores de resiliência (2020); Aristóteles e os super-heróis (2014) e Filosofando com os Super-Heróis (2011), onde na qual foi premiado como Livro do Ano 2012 - AGES (Associação Gaúcha de Escritores). Foi docente no Ensino Superior e da Educação Básica e membro fundador e atual coordenador do Grupo de Pesquisa Universos Paralelos: Arte Sequencial, Mediação Cultural e práticas pedagógicas.

Vamos usar quadrinhos em sala de aula? Os super-heróis invadem a escola