Para além da placa: outras histórias da negritude em Curitiba

Ana Crhistina Vanali; Andrea Maila Voss Kominek;

Celso Fernando Claro de Oliveira (Orgs.)

O livro Para além da placa: outras histórias da negritude em Curitiba, dá sequência ao livro Os nomes da placa: a história e as histórias do monumento à Colônia Afro-brasileira de Curitiba. Ambas constituem obras extremamente inovadoras. Inovam ao assumir posicionamento crítico e colocar em evidência histórias de pessoas e instituições que integram um grupo racial e socialmente marginalizado pela lógica racista. Lógica que insiste em naturalizar a branquidade como norma. A partir da placa de bronze, instalada no centro de Curitiba em comemoração ao Centenário da Abolição (contendo 68 nomes da comunidade negra curitibana), iniciou-se uma pesquisa para desvendar as histórias por trás destes nomes. A pesquisa resultou em 2 livros: o primeiro, desvelou quem são as pessoas ali homenageadas, apresentando uma breve biografia de cada uma delas; o segundo traz, agora, o foco para as associações e coletivos em suas mais diversas formas de resistência negra. Neste sentido, o presente livro, segue uma importante tradição africana: a valorização do coletivo. Ao tratar do movimento social de negras e negros no Paraná, através das histórias de suas instituições e formas de resistência, visibiliza a importância dos coletivos, dos grupos, das associações. Os textos que compõem o livro, construídos a partir de fontes variadas – experiências pessoais, relatos de experiências, fotografias, cartazes, atas de eventos, etc., - explicitam como o ativismo e a pesquisa acadêmica podem ser complementares e em muitos casos o/a pesquisador/a e o/a ativista são a mesma pessoa. Assim, em alguns momentos o/a pesquisador/a subsidia a militância, em outros o/a militante fornece informações preciosas para o/a pesquisador/a. O movimento social de negras e negros foi, muitas vezes, responsável pela formação de inúmeros/as intelectuais que hoje atuam em universidades públicas, em várias regiões do país. O livro cumpre sua função de forma magistral. Resgata existências e experiências de pessoas e de coletivos negros. Permite que essas vozes cheguem a lugares variados, desafiando a lógica do apagamento que incide sobre a população negra curitibana. Vozes antes abafadas, enfim podem ecoar através do trabalho cuidadoso de diversas/os pesquisadoras e pesquisadores, brancas/os e negras/os. De uma simples placa emergiu uma diversidade de corpos e ideias. Emergiu histórias de ousadia e de luta. A pequena placa de bronze, tomou forma de livro. No livro, ecoam vozes múltiplas e contra hegemônicas. Vozes que a truculência colonialista tentou e continua tentando calar.

 

Megg Rayara Gomes de Oliveira

Travesti preta, Doutora em Educação pela UFPR

Professora Adjunta do Setor de Educação da UFPR

Coordenadora do NEAB – Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da UFPR

Atua no movimento social de negras e negros e no movimento LGBT do Paraná

ISBN: 978-85-5696-796-1

Nº de pág.: 174

© 2020 por LUCAS MARGONI & WIX ENGINE.

Todos os livros publicados pela editora Fi

estão sob os direitos da Creative Commons 4.0