Philosophia Brasiliensis: História, Conhecimento e Metafísica no

Período Colonial

 

Lúcio Álvaro Marques

 

O poeta recorda que precisamos educar o Brasil e, imediatamente, acrescenta – compraremos professores e livros, assimilaremos finas culturas. Chega o tempo em que necessita-se olhar para a realidade do país não como o Velho Mundo olhou nos séculos passados. A história do pensamento brasileiro não se faz a partir de obras escritas noutras terras, embora não prescinda do diálogo com outros povos. O poeta é enfático nessa necessidade: precisamos, precisamos esquecer o Brasil! Esse Brasil que os próprios brasileiros desconhecem, essa terra preterida pelo desejo de conhecer outras histórias, essa terra de gente cuja cabeça desconhece onde se encontram os pés – esse país precisa ser esquecido. O Brasil não precisa de cérebros que desconhecem os pés, mas também não viverá de pés que existem sem cérebro. Uma tentativa de articulação entre a realidade nacional e a experiência do pensamento, os pés e o cérebro, é exemplificada nesse livro através da tradução, exegese e comentário da obra Conclusiones Metaphysicas de Ente Reali de Francisco de Faria, publicada no Rio de Janeiro em latim (1747) e que consta como a primeira tese escrita no país. Entretanto, há ainda os que vivem no Brasil, mas não o pensam, por isso estão fartos dessa terra. Diriam ainda – nosso Brasil é no outro mundo. A essas formas de pensamento, o Brasil permanece desconhecido, completamente alheio, porque jamais olharam diretamente para o próprio chão. Nesse sentido, nenhum Brasil existe. E acaso existirão os brasileiros?

 

Lúcio Álvaro Marques (1979) CAPES Foundation / Ministry of Education / Brasília / Brazil. Investigador de Pós-doutoramento em Filosofia Brasileira (século XVIII) na Universidade do Porto / Portugal (2015-2016). 

ISBN: 978-85-66923-74-2
Nº de pág.: 316

© 2019 por LUCAS MARGONI & WIX ENGINE.

Todos os livros publicados pela editora Fi

estão sob os direitos da Creative Commons 4.0