Inquietações no campo do ensino: sujeitos e temas de pesquisa

Rosemary Rodrigues de Oliveira; Ana Paula Leivar Brancaleoni; Solange Vera Nunes de Lima D’Agua (Orgs.)

Inquietação. Do latim, Inquietatio (desassossego, agitação). Substantivo feminino. Dentre tantos significados etimológicos, encontramos: “Condição da pessoa inquieta. Ação de se preocupar com o que, normalmente, se encontra acima de seu entendimento. Estado de quem quer saber e conhecer mais, que não se contenta com seus conhecimentos”. Estado, condição e ação do ser sócio histórico lançado conscientemente num movimento instigante – e fundamental – de desvelamento das “coisas do mundo”. Ocorre que inquietar-se na educação e no ensino não é tarefa para qualquer um. Evocando o tão maltratado Paulo Freire, ensinar consiste não apenas em saber construir “leitura de mundo”: permanecendo na mesma seara do mestre “transpernambucano”, ele exige de nós – professores e professoras – “criticidade”, “pesquisa”, “respeito aos saberes do educando”, “respeito à autonomia”, “comprometimento”, “disponibilidade para o diálogo”, “alegria e esperança” e, um dos que mais aprecio, “consciência do inacabamento do mundo”, pois somos seres históricos e em constante movimento de construção e reconstrução de conhecimentos. Eis o tamanho de nossa inquietude. Os textos e autores aqui reunidos – provenientes de diversas instituições de ensino superior do país e com diferentes métodos e abordagens – escrutinam sujeitos, temas e questões múltiplas, mas, ao mesmo tempo, costuram entre si o objetivo comum de produzir e partilhar socialmente os seus conhecimentos e inquietações em torno do campo do ensino. Iniciativa mais do que premente.

Rodrigo Ribeiro Paziani

 

Nº de pág.: 243

ISBN: 978-65-87340-63-0

DOI: 10.22350/9786587340630

ENCOMENDAR

© 2020 por LUCAS MARGONI & WIX ENGINE.

Todos os livros publicados pela editora Fi

estão sob os direitos da Creative Commons 4.0