A hermenêutica fenomenológica na obra inicial de Heidegger

Neusa Rudek Onate

A obra analisa a possibilidade de uma investigação fenomenológica na filosofia de Martin Heidegger. O que implica num questionamento acerca da anterioridade da matéria e do conteúdo sensível do qual o próprio mundo é constituído. Como parâmetro, adota-se uma linha conceitual e argumentativa de passagens presentes no conjunto selecionado dos textos iniciais da obra do filósofo, contemplando, sobretudo, as lições de Marburgo, pelos quais defende-se que a fenomenologia é o como de uma investigação filosófica e que só é possível por uma via de acesso livre e direta, esta via é, para Heidegger, a hermenêutica da faticidade. Ao desenvolver a hermenêutica enquanto método fenomenológico, Heidegger estabelece a Abbau confrontando-se com os problemas conceituais inerentes à história da própria filosofia. Sob esta conjectura, assinala-se o confronto do filósofo com os problemas metodológicos da fenomenologia de Husserl mediante as análises críticas empreendidas por Heidegger às Investigações Lógicas e às Ideias I. A exposição visa apresentar elementos fundamentais para se compreender a trajetória do projeto filosófico de Heidegger no que tange à apropriação crítica dos conceitos fenomenológicos.

ISBN: 978-85-5696-400-7

Nº de pág.: 184

© 2019 por LUCAS MARGONI & WIX ENGINE.

Todos os livros publicados pela editora Fi

estão sob os direitos da Creative Commons 4.0