Ética animal: antropomorfismo; ceticismo; moralidade animal

Ana Pedro

Muito embora o estudo sobre a filosofia animal seja um tema tradicional que sempre mereceu a atenção dos filósofos desde a antiguidade grega (ex: Aristóteles), a verdade é que nos últimos dez anos tem-se registado um interesse global sem precedentes sobre ética e cognição animal não só entre os filósofos da ética animal, mas também entre os etologistas cognitivistas, psicólogos (psicologia comparada), biólogos evolucionistas e neurocientistas. Esta obra pretende apresentar e discutir, de uma forma acessível, algumas das principais questões em torno da ética animal, sejam elas de natureza epistemológica - os animais possuem crenças, desejos e intencionalidade? Têm mente? Que estados mentais possuem? –  metafísica – será que os animais sem linguagem podem pensar ou raciocinar? – ou ética - Existe uma moralidade animal? Serão os animais seres morais? E, será que podem ser considerados agentes morais? Porém, cada uma destas abordagens tem-se deparado com alguns problemas, nomeadamente, de índole antropomórfica que ressalta de algumas investigações empíricas levadas a cabo pela etologia e psicologia comparada e que tem conduzido a um certo ceticismo em torno das questões acima colocadas. É neste contexto contemporâneo que os filósofos têm sido chamados a intervir e a contribuir com as suas reflexões e argumentos (pró e contra) para este debate sobre a ética animal que realça perspetivas radicalmente diferentes de ver a moralidade ou a consciência nos animais.

Nº de pág.: 124

ISBN: 978-65-5917-395-2

DOI: 10.22350/9786559173952