Charles Taylor: identidade, reconhecimento e religião

Juliano Cordeiro da Costa Oliveira

O objetivo deste livro é investigar como Taylor articula teórica e filosoficamente a relação entre identidade e reconhecimento, tendo a religião como uma fonte moral e uma instância essencial para a construção das identidades. Taylor é um dos nomes fundamentais do chamado comunitarismo, que defende o papel determinante que a comunidade exerce em nossa identidade e em nosso reconhecimento. Nesse sentido, não seríamos um eu originário e desengajado. Em realidade, seríamos fruto de nossas relações com os outros, de nossa cultura, linguagem e comunidade. Tais instâncias nos fornecem os elementos essenciais, as fontes morais, que orientam nossas vidas, constituindo nossas subjetividades, como as tradições religiosas em determinados contextos. O livro também aborda o debate de Taylor com autores como John Rawls, Jürgen Habermas e Nancy Fraser. Juliano Cordeiro da Costa Oliveira é Doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Realizou período de estágio na modalidade doutorado sanduíche na Ludwig-Maximilian-Universität München, em Munique, Alemanha, com bolsa CAPES. Realizou também estágio de pós-doutorado em filosofia, na Universidade Federal do Piauí (UFPI), com bolsa PNPD/CAPES. O autor pesquisa o diálogo entre religião e secularismo na democracia, à luz da Teoria Crítica, com ênfase no pensamento de Jürgen Habermas. Pesquisa também o debate contemporâneo acerca da controvérsia entre liberalismo e comunitarismo a partir do filósofo canadense Charles Taylor. É também autor do livro "Secularismo e Religião na Democracia Deliberativa de Habermas: da pragmática ao déficit ontológico e metafísico".

 

Nº de pág.: 124

ISBN: 978-65-5917-382-2

DOI: 10.22350/9786559173822