Alienação artística: Marcuse e a ambivalência política da arte

Luís Gustavo Guadalupe Silveira

O caráter político ambivalente da arte, apresentado por Marcuse em textos que abrangem cinco décadas de produção intelectual (de 1937 a 1979), é o objeto de estudo de nosso livro. O objetivo principal é explicitar a maneira como o filósofo fundamenta essa ambivalência, que atribui à dimensão estética tanto um potencial afirmativo quanto negativo. A investigação busca apresentar a caracterização realizada por Marcuse a respeito do aspecto político da arte, explicitar o papel conciliatório da arte na formação e manutenção da sociedade burguesa e, depois, na sociedade unidimensional, assinalar o potencial revolucionário atribuído por Marcuse ao discurso artístico e investigar se há mudanças no julgamento do autor sobre a arte afirmativa e negativa ao longo de suas obras, explicitando, se for o caso, as suas justificativas para as mudanças de ponto de vista.

 

Luís Gustavo Guadalupe Silveira nasceu em Divinópolis, cresceu em Lavras e atualmente reside em Uberlândia/MG. Iniciou sua formação superior em Filosofia em São João Del-Rey e concluiu sua graduação na Universidade Federal de Uberlândia (UFU/MG), instituição na qual também realizou seu mestrado. Possui doutorado em Filosofia pela USP/SP. Sua escolarização básica se deu na Escola Cooperativa Gralha Azul, em Lavras. É professor de Filosofia no IFTM Uberlândia, escritor e músico.

Nº de pág.: 233

ISBN: 978-65-5917-380-8

DOI: 10.22350/9786559173808