Erro, ilusão, tragédia: aporias do conhecimento nos primórdios da filosofia de Nietzsche

Daniel Temp

A afirmação de que o conhecimento é de ponta a ponta antropomórfico faz parte de um variado repertório de ideias, sentenças e ditos que expressam de maneira mais ou menos uniforme um dos aspectos mais insólitos da meditação de Nietzsche sobre o conhecimento, notadamente, a ideia paradoxal de que o conhecimento carrega algo de ilusório, de que o discurso teórico não capta ou até mesmo falseia a realidade, enfim, de que a verdade não passa de um erro. Dado que, por um lado, semelhante ideia é rebento de uma reflexão anterior que se desdobra segundo uma sinuosa lógica argumentativa e que, além do mais, dispõe de pressupostos particulares; e dado que, por outro lado, na qualidade de suposto conhecimento, nem mesmo essa reflexão nem tampouco seus pressupostos escapam à negação drástica contida na ideia cabal de que conhecimento é erro, reivindica-se neste livro que a reflexão de Nietzsche sobre o caráter errôneo do conhecimento pode ser livremente entendida como uma teoria: só que em vez de uma teoria do conhecimento, sustenta-se que cabe antes entendê-la como uma teoria do erro. 

Nº de pág.: 187

ISBN: 978-65-5917-378-5

DOI: 10.22350/9786559173785