História e Psicanálise

Sabrina Costa Braga; Murilo Gonçalves (Orgs.)

A constatação da existência de um inconsciente não poderia passar despercebida para qualquer disciplina que buscasse compreender o comportamento humano, mas não há de se propor uma simples submissão da história à psicanálise, de modo a ignorar o método histórico, ou de exigir que os historiadores necessariamente se tornem psicanalistas. Trata-se, indiscutivelmente, de duas abordagens distintas que não pretendem se fundir. O que se propõe refletir é que, a partir do momento em que o historiador se arrisca a associar a psicanálise ao seu ofício, pode não ser muito proveitoso tomá-la por partes sem levar em consideração a totalidade à qual pertence e sem refletir teoricamente sobre o que, anteriormente, levou a tais divisões e escolhas.

Nº de pág.: 323

ISBN: 978-65-5917-308-2

DOI: 10.22350/9786559173082