A caminho do silêncio: Linguagem e Poesia no Pensamento de Heidegger

Carlos Arthur Resende

Se o caminho para a linguagem de Heidegger é um caminho para a experiência do silêncio – de um silêncio que não é mutismo ou ausência de som, mas a própria inesgotabilidade do sentido; a suspensão dos sentidos já estabelecidos, que possibilita o abrir-se de novos sentidos – o percurso desse trajeto mostrou a mim uma outra visão sobre as relações entre a filosofia e a poesia: que esse silêncio a que se chega como origem da linguagem já é pressuposto pela filosofia na poesia. Por outras palavras: que a filosofia precisa de um discurso previamente estabelecido, como o da poesia, no qual ela vai encontrar uma interrupção, uma falha, uma inconsistência, uma abertura para dizer o seu sentido, para redizer o que aquele discurso já disse, porém com vistas a fundamentá-lo adequadamente. A filosofia chega ao silêncio da linguagem, como inexaurabilidade do sentido, quando encontra outro discurso sobre o qual ela quer legislar; a regência da filosofia sobre os outros discursos é a descoberta de que o sentido de uma fala não se esgota na sua enunciação – que o poema, por exemplo, não se esgota em si e pode ser desdobrado infinitamente na reflexão. A crítica de Platão aos poetas – e a esse respeito, mais contundente no Íon que na República – não é um momento incidental do pensamento, mas um dos seus gestos fundadores. Dessa forma, a busca pela compreensão de um tema específico – como o silêncio era concebido por Heidegger enquanto origem da linguagem – desembocou em uma interpretação da própria filosofia e do ato de filosofar, voltada, sobretudo, para o que me parece ser uma estratégia oculta do discurso filosófico.

 

Carlos Arthur Resende nasceu em Pará de Minas (MG) aos 20 de fevereiro de 1990. É licenciado em Filosofia pela Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ) e mestre, também em Filosofia, pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Atualmente cursa o doutorado em Filosofia na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), atuando nos seguintes temas: Ontologia Fundamental e Metafísica tradicional, Filosofia da arte, Linguagem e Memória, Filosofia e Poesia. Dedica-se intermitentemente à literatura. De poesia, já publicou o volume limiares, pelo selo independente Trigam.

Nº de pág.: 135

ISBN: 978-65-5917-294-8

DOI: 10.22350/9786559172948