Os não-tolos erram / Os nomes do pai:

seminário entre 1973-1974

Jacques Lacan

[tradução e organização de Frederico Denez e Gustavo Capobianco Volaco]

Se é uma questão de ser tolo, não é, neste caso, ser tolo das minhas ideias, porque essas quatro pequenas letras não são ideias. Mesmo, não são ideias em absoluto, prova disso é que resulta muito, mas muito difícil, dar-lhes um sentido, e, inclusive, foi feito estritamente para que não seja possível dar-lhes um sentido. Isso não significa que ... que não se possa fazer nada com elas. Que se inscreve em certa elaboração do que chamaria - o mesmo que dizer que isso se inscreve, quer dizer o que vou a dizer agora, ou seja - a matemática de Freud. O que é, propriamente falando transmissível. Localizável na lógica de seu discurso. Em sua própria errância. Ou seja, na maneira como ele tentava que esse discurso analítico resultasse adequado ao discurso científico. Foi este o seu errar. O qual o - não posso dizer impediu, enfim - de fazer dele sua matemática, posto que a matemática, ele a fazia assim, faltava um segundo passo para poder inscrevê-la depois.

20 de Novembro de 1973

Jacques Lacan

ISBN: 978-85-5696-292-8

Nº de pág.: 275

© 2019 por LUCAS MARGONI & WIX ENGINE.

Todos os livros publicados pela editora Fi

estão sob os direitos da Creative Commons 4.0