Conflito, fraternidade e direito vivo: a concretização dos Direitos Humanos na Sociedade Cosmopolita

Gabrielle Scola Dutra; Etyane Goulart Soares; Charlise Paula Colet Gimenez (Orgs.)

As transformações das últimas décadas tornaram o mundo muito mais complexo e interdependente. Isto significa que, concretamente, os problemas ganharam uma nova dimensão e, em muitos casos, passaram a ter feições globais. Assim, a vida humana adquiriu novos contornos e foram relativizados os conceitos de soberania e de fronteiras nacionais. Este fato produziu um crescimento exponencial das conexões planetárias e, em consequência, gerou laços transversais que perpassam toda a vida em sociedades. O resultado foi uma ruptura com o passado e a conformação de uma nova e complexa realidade. A compreensão desta nova realidade é um dos grandes desafios do momento atual. Daí, portanto, a necessidade de novas formulações teóricas. Entre estas novas formulações, tem um espaço importante as chamadas teorias do cosmopolitismo. A defesa das teorias cosmopolitas deve ser feita a partir do chamado cosmopolitismo empírico-analítico (nova condição fática do mundo) e, em hipótese alguma, de um cosmopolitismo normativo (e homogeneizante). Isto significa que as teorias cosmopolitas devem ser, necessariamente, pluralistas e estarem abertas para a diversidade das culturas e para a legitimidade da singularidade de ser diferente. Este é, um dos grandes desafios do Século 21. É que o processo de metamorfose do mundo processado nas últimas décadas é já fato real e as tentativas de formulação teórico-compreensivas deste acontecimento ainda estão dando os primeiros passos. Mas, é importante registrar que extraordinários exemplos podem ser encontrados nas diversas regiões do mundo e nas diferentes áreas do conhecimento. O presente livro – Conflito, Fraternidade e Direito Vivo - é um grão de areia neste imenso universo. Mas, é uma contribuição fundamental para o início do debate sobre o tema e suas implicações.

 

Gilmar Antonio Bedin

Doutor em Direito do Estado (UFSC)

Professor dos Programas de Pós-Graduação em Direito da URI e da UNIJUÍ

 

Nº de pág.: 230

ISBN: 978-65-5917-209-2

DOI: 10.22350/9786559172092