Tendências do Ensino Jurídico: confrontando as limitações de um saber-práxis no direito

Rainer Bomfim; Flávia Máximo; Alexandre Bahia (Orgs.)

A construção dessa obra prestigiou a formação do ensino jurídico como uma teoria-práxis em que o conhecimento não está distante da realidade, mas sim afeto e afetado constantemente por ela – inclusive porque a cisão entre teoria e práxis é um projeto político de poder que deve ser superada. Isso é particularmente importante na presente obra, uma vez que ainda é lugar comum nas faculdades trabalhar-se com a ideia cartesiana de separação entre o que é o “ideal” da norma e a “realidade” dura da vida. A presente obra parte do suposto de que o ensino do Direito não está dissociado da realidade, não só no sentido de que o ensino deve olhar criticamente para o que acontece nos tribunais e na advocacia, mas também em um sentido mais profundo: nossa valoração sobre as relações jurídicas já perpassa pelas nossas subjetividades e vivências e, portanto, por nossa  pré-compreensão de como o Direito é/deve-ser. Não somos sujeitas/os sem cor, gênero, orientação sexual, classe ou origem. Estamos inseridas/os em relações de poder que determinam nosso lugar social e, consequentemente, nosso lugar de enunciação como juristas.  Por isso é tão importante a metodologia da pesquisa-ação que move a extensão, o ensino e a pesquisa no curso de Direito da UFOP, e, mais recentemente, o Programa de Pós-Graduação “Novos direitos, novos sujeitos”. Professoras/es e pesquisadoras/es se propuseram a trazer para a obra as diversas construções das suas instituições com as peculiaridades, as potências, as inovações e as criações que o ensino pode construir para o microssistema jurídico.

Nº de pág.: 297

ISBN: 978-65-5917-042-5

DOI: 10.22350/9786559170425

ENCOMENDAR