Diálogos críticos, volume 3: EAD, Atividades remotas e o ensino doméstico: cadê a escola?

Antônio Marcos da Conceição Uchoa; Ivânia Paula Freitas de Souza Sena; Maria Elizabeth Souza Gonçalves (Orgs.)

Na busca de dialogar criticamente no campo educacional, emerge um triplo desafio ao se investigar o que está sendo, o que não é e o que poderia ser. Sob uma perspectiva que milita pela transformação social e pela emancipação, fundar-se na crítica em tempos singulares derivados de uma crise social, econômica e política que se soma à crise sanitária, a Educação continua sendo um fator contraditório pela sua possibilidade de alienação e pela potencialidade de compreensão/intervenção na realidade. As desigualdades sociais se manifestam na educação de forma violenta ao colocar condições extremamente adversas para o diálogo, a humanização e a transformação social. E, também, essas desigualdades estruturam condições adversas para o encontro de sujeitos em formação sejam eles educadores/as, sejam educandos/as. A precarização das condições deve ser cotidianamente denunciada e ir da indignação à ação objetivando a qualidade social da escola. Em tempos de pandemia, as condições precarizadas já transpareceram para toda a sociedade brasileira. As desigualdades não podem ser, cinicamente, naturalizadas como se não houvesse alternativas. Como se o presente de exclusão fosse uma fatalidade a se repetir. Nesse contexto, pensar a educação é pensar em resistências, lutas e utopias frente às desigualdades. Contemporaneamente, é buscar se aprofundar nas condições impostas pela pandemia de forma crítica e dialógica para a superação da pandemia de fundo vivida que é a lógica do capital e da mercantilização de tudo quanto há. O coletivo presente nesta obra assume o encargo de trazer à público mais uma vez diálogos críticos com o objetivo de fortalecer a práxis libertadora. Em tempos de pandemia, o trabalho contra-hegemônico e de resistência não somente é necessário, mas também urgente. Pensar e repensar como a lógica do capital avança sobre a educação e como esta se articula com o metabolismo desumanizador do capital demanda tanto pesquisas como ações. O desvelamento é um passo importante e reflexivo que, ao se articular, com a proposta de diálogo, rejeita o caráter messiânico e horizontaliza as relações. É na escolha de diálogo como pressuposto e caminho que se desenha as contradições das crises vividas e um outro mundo possível.

 

Teodoro Zanardi

Professor Adjunto IV do Programa de Pós-graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Doutor em Educação pela PUC São Paulo Pós-doutorado em Educação pela Universidade de Colônia (Alemanha)

Nº de pág.: 245

ISBN: 978-65-5917-013-5

DOI: 10.22350/9786559170135

ENCOMENDAR

© 2021 por LUCAS MARGONI & WIX ENGINE.

Todos os livros publicados pela editora Fi

estão sob os direitos da Creative Commons 4.0