Boaventura:

filósofo, teólogo e místico
 

Luis Alberto De Boni

Boaventura se encontra em uma posição difícil, quando se procura situá-lo no panorama da Escolástica. Ao serem retomados os estudos medievais em fins do século XIX e inícios do século XX, o interesse centralizou-se em Tomás de Aquino, apontado pelo Papa Leão XIII como modelo de pensador cristão e como fonte onde os católicos deveriam abeberar-se em seus conhecimentos filosóficos e teológicos. Foi principalmente ao redor do Aquinate que a Neo-escolástica se desenvolveu, em grande parte num esforço para opor-se ao pensamento moderno que, desde o Renascimento, passando por Descartes, Kant e Hegel, abandonara os cânones medievais. Escolástica e pensamento cristão tornaram-se quase sinônimos de Tomás de Aquino, cuja síntese magnífica, sempre suscetível de novas leituras, parecia eclipsar a dos demais luminares de sua época. E, de uma forma ou de outra, o Doutor Angélico era tomado não só como o mais genuíno e mais importante pensador de seu tempo, mas também como parâmetro de ortodoxia, pelo qual todos os escolásticos deviam ser avaliados.

ISBN: 978-85-5696-008-5

Nº de pág.: 268

© 2019 por LUCAS MARGONI & WIX ENGINE.

Todos os livros publicados pela editora Fi

estão sob os direitos da Creative Commons 4.0