A Amazônia tem sido recorrentemente apontada, ao longo dos últimos dois séculos, como fronteira inóspita (lugar a ser explorado e território a ser descoberto) – terra de exotismos que tem como marca a diferença do que é, afinal, “ser ocidental”. Tal percepção não é novidade. Da mesma forma que não soam novas as críticas (acadêmicas ou não) a este olhar estereotipado. Se esta visão ainda persiste (derivada das marcas naturais da região) é porque ela é tributária da matriz representacional hegemônica que é acionada para falar do amazônico. Nela, a floresta e os grandes rios são uma constante e, mesmo quando ausentes, tornam-se parâmetros para definir o que seria (de direito e de fato) a Amazônia. A distância (física ou imaginária) da Pan-Amazônia em relação aos demais centros de produção de cultura e conhecimentos, admitimos, ajuda a consolidar a percepções de que, nestes campos, a região é ainda periferia. Não nos perturba tal distinção: nos potencia! Acreditamos que os estereótipos estão aí para serem questionados (ou superados); e que as periferias do Ocidente estão aí (justamente) para potenciar as novidades nos modos de conhecer – algo já dito por gente como Boaventura de Souza Santos e Edgar Morin. Cremos, por isso, que é inteligente apostar (alto) nos Saberes Amazônicos e nos seus circuitos (ditos) periféricos. Apostar no “ser diferente”; no “fazer diferente”; no “viver diferente”; no pensamento ameríndio e nas demandas naturais, como potência recorrente, capaz de abastecer inúmeros projetos e converter qualquer sujeito-objeto em sujeito de sua própria investigação – original e originária. É esta “originariedade” que a Série Tuna’Po’tîrî busca alcançar. “Originariedade” relacionada a questões como, por exemplo: existem contribuições amazônicas para construção (originária) de conhecimentos científicos? Há contribuições amazônicas para construção (originária) de conhecimentos científicos em Comunicação e suas interfaces? De que Comunicação falamos na Pan-Amazônia? Se não é ocidental, mas ameríndia; se tem na natureza seu principal fator de particularização; se constitui modos ímpares de perceber, ser e estar no mundo... não seria o modo amazônida de conhecer uma lufada renovadora nos próprios modos de conhecer? A Série Tuna’Po’tîrî, pensada na Amazônia por um grupo heterogêneo de sujeitos, em diálogo com as mais diferentes áreas do conhecimento, pretende acionar investigadores e investigações que comungam interesses (embora de distintos nuances) e que se encontrem nas ideias de Comunicação e de Amazônia. A pretensão é que a Série Tuna’Po’tîrî potencie um novo diálogo e contribua com um sopro de originalidade (ou “originariedade”), articulando qualidade e criatividade no modo de pensar a Comunicação na e sobre a Amazônia. Uma pretensão que ganha materialidade no próprio nome da Série: Tuna’Po’tîrî faz referências aos “rios voadores” que partem da Amazônia para abastecer o centro-sul da América. A expressão, embora de uso recente na língua Macuxi[1], resgata o sentido de “chuva forte que vem ao longe”. Numa tradução literal, Tuna’Po’tîrî refere-se as “nuvens-chefe das águas”.

 

[1] O povo indígena Macuxi é uma etnia pertence ao tronco linguístico Caribe, que é a predominante em Roraima, no extremo norte do Brasil. Além de Roraima, hoje também há Macuxis habitando os territórios circum-Roraima na Venezuela e na Guiana Inglesa. Para conhecer mais sobre os Macuxi, visitar o site “Povos indígenas no Brasil”, mantido pelo Instituto Socioambiental (ISA). Disponível em: <https://pib.socioambiental.org/pt/povo/macuxi/734>.

-------------------------------

Diretor da série:

 -------------------------------

Vilso Junior Santi

Observatório Cultural da Amazônia e do Caribe (AMAZOOM/UFRR-Brasil). Email: vjrsanti@gmail.com


 

-------------------------------

Coordenação::

-------------------------------

 

Francisco Gilson Rebouças Pôrto Júnior

Observatório de Pesquisas Aplicadas ao Jornalismo e ao Ensino (OPAJE/UFT-Brasil).

Email: gilsonportouft@gmail.com

 

Leila Adriana Baptaglin

Grupo de Estudos e Pesquisas em Patrimônio, Arte e Cultura na Amazônia (GPAC/UFRR-Brasil).

Email: leila.baptaglin@ufrr.br 


Netília Silva dos Anjos Seixas

Grupo de Pesquisa Comunicação, Linguagens, Discursos e Memórias na Amazônia (PPGCOM/UFPA-Brasil).

Email: netiliaseixas@gmail.com 


Sandro Adalberto Colferai

Grupo de Pesquisa em Ecossistemas Comunicacionais (COMTATOS/UNIR-Brasil).

Email: sandrocolferai@gmail.com

-------------------------------

Conselho Editorial:

-------------------------------

Adrián José Padilla Fernández

Centro de Experimentación para el Aprendizaje Permanente (CEPAP/UNESR-Venezuela).

 

Akima Mc Pherson

Faculty of Education and Humanities (FEH/UOG-Guyana).

 

Alda Cristina Silva da Costa

Grupo de Pesquisa Narrativas Contemporâneas na Amazônia Paraense (NARRAMAZÔNIA/UFPA-Brasil).

 

Alfredo Antonio Gómez Mallea

Centro Interdisciplinario Boliviano de Estudios de la Comunicación (CIBEC/UASB-Bolivia).

 

Allan Soljenitsin Barreto Rodrigues

Grupo de Pesquisa Comunicação, Cultura e Amazônia (TROKANO/UFAM-Brasil).

 

Allysson Viana Martins

Grupo de Pesquisa em Mídias Digitais e Internet (MIDI/UNIR-Brasil).

 

Ana Alejandrina Reyes Páez

Centro de Experimentación para el Aprendizaje Permanente (CEPAP/UNEARTE-Venezuela).

 

André Luis Campanha Demarchi

Núcleo de Estudos e Assuntos Indígenas (NEAI/UFT-Brasil).

 

Antônio Carlos Sardinha

Grupo de Pesquisa Estudos Interdisciplinares em Cultura e Políticas Públicas (GCPP/UNIFAP-Brasil).

 

Carlos Alberto Larrea Naranjo

Observatorio Latino e Iberoamericano de Convergencias Mediáticas (OBLICOM/UNACH-Ecuador).

 

Carlos Andrés Tobar Tovar

Grupo de Estudios Procesos y Medios de Comunicación (PROMECOM/JAVERIANA.Cali-Colombia).

 

Carlos Jorge Barros Monteiro

Grupo de Pesquisa Comunicação, Cultura e Amazônia (TROKANO/UFAM.Parintins-Brasil).

 

Célia Regina Trindade Chagas Amorim

Grupo de Pesquisa Mídias Alternativas na Amazônia (MACAM/UFPA-Brasil).

 

Clémence Ogeron

Laboratoire Ecologie, Evolution, Interactions des Systèmes Amazoniens (LEEISA/UGUY-Guyana.FR).

 

Cristina Soledad Paredes Rivadeneira

Facultad de Comunicación Social (FACSO/UCE-Ecuador).

 

Cristóvão Domingos de Almeida

Grupo de Pesquisa Conhecimento, Saberes e Modos de Comunicação (MULTIMUNDOS/UFMT-Brasil).

 

Cynthia Mara Miranda

Grupo de Pesquisa Comunicação, Direitos e Igualdade (CODiG/UFT-Brasil).

 

Dalton Marcelo Pardo Enriquez

Grupo de investigación Plurinacionalidades y Conocimientos Ancestrales (PLURI/UEA-Ecuador).

 

Damien Davy

Observatoire Hommes Milieux Oyapock (OHM/UGUY-Guyana.FR).

 

Denise Hopkinson Braam

Centre for Communication Studies (CCS/UOG-Guyana).

 

Divha Alejandra Gantier Mita

Autoridad Plurinacional de la Madre Tierra (APMT/UCB-Bolivia).

 

Dora Estella Muñoz Atillo

Programa de Comunicación Propia Intercultural (PCPI/UAIIN-Colombia).

 

Edgar Monteiro Chagas Junior

Grupo de Pesquisa Patrimônio Cultural e Representações do Lugar (BATUQUES/UNAMA-Brasil).

 

Elaide Martins da Cunha

Grupo de Pesquisa Interações e Tecnologias na Amazônia (ITA/UFPA-Brasil).

 

Elaine Javorski Souza

Grupo de Estudos sobre Mídia e Alteridade (ALTERMÍDIA/UNIFESSPA-Brasil).

 

Enoc Moisés Merino Santi

Grupo de investigación Cartografía Social e Política de la Amazonía (CSPA/UEA-Ecuador).

 

Eric Jagdew – Cultureel Centrum Brazilië-Suriname (CCBS/UVS-Suriname).

Erick Rolando Torrico Villanueva

Centro Interdisciplinario Boliviano de Estudios de la Comunicación (CIBEC/UASB-Bolivia).

 

Erinso Yarid Díaz Rodríguez

Grupo de Investigación Comunicación Comunitaria y Participación Política (GCPP/USCO-Colombia).

 

Esperanza Pinto Sardón

Instituto de Investigación Posgrado e Interacción Social en Comunicación (IPICOM/UMSA-Bolivia).

 

Estevão Rafael Fernandes

Laboratório Amazônico de Estudos em América Latina (LABLAT/UNIR-Brasil).

 

Eva González Tanco

Grupo de Estudios Culturales y de la Comunicación (ECCO/UNICAUCA-Colombia).

 

Fernanda Ribeiro de Salvo

Grupo de Pesquisa Comunicação, Cultura e Representação (COMCULT/UFAC-Brasil).

 

Fernando Herminio Ortiz Vizuete

Centro de Investigación y Nuevos Estudios sobre Cine (CINECTART/UCUENCA-Ecuador).

 

Flávia de Almeida Moura

Núcleo de Estudos em Estratégias de Comunicação (NEEC/UFMA-Brasil).

 

Francielle Maria Modesto Mendes

Grupo de Pesquisa Mídias, Imaginário e Representação: uma Cartografia das Amazônias (MIRCA/UFAC-Brasil).

 

Francisco Aquinei Timóteo Queirós

Grupo de Pesquisa Narrativa, Literatura e Jornalismo (NALIJOR/UFAC-Brasil).

 

Françoise Grenand

Observatoire Hommes Milieux Oyapock (OHM/UGUY-Guyana.FR).

 

Franklin Martín Cornejo Urbina

Escuela Profesional de Periodismo (ECP/UARM-Perú).

 

Gabriela Milagros Pacheco Dávila

Grupo de Investigación en Procesos Comunicacionales y Epistemología de la Comunicación (PROCESSOCOM/U.LIMA-Perú).

 

Guillaume Odonne

Laboratoire Ecologie, Evolution, Interactions des Systèmes Amazoniens (LEEISA/UGUY-Guyana.FR).

 

Handerson Joseph

Laboratório de Estudos Etnográficos (LAET/UNIFAP-Brasil).

 

Ingrid Gomes Bassi

Grupo de Pesquisa Discursividade e Estudos das Comunicações Contemporâneas (DISCOM/UNIFESSPA-Brasil).

 

Isabel Regina Augusto

Grupo de Pesquisa Cultura, Comunicação, Arte e Sociedade (CUCAS/UNIFAP-Brasil).

 

Jack Menke

Cultureel Centrum Brazilië-Suriname (CCBS/UVS-Suriname).

 

Jacques Beauchêne

Laboratoire Ecologie, Evolution, Interactions des Systèmes Amazoniens (LEEISA/UGUY-Guyana.FR).

 

Janine de Kássia Rocha Bargas

Núcleo de Pesquisa em Comunicação e Política (NUCOMP/UNIFESSPA-Brasil).

 

Jenny Johns Christopher

Cultureel Centrum Brazilië-Suriname (CCBS/UVS-Suriname).

 

Jhony Raúl Carhuallanqui Carhuamaca

Facultad de Ciencias de la Comunicación (FCC/UNCP-Perú).

 

João Nunes da Silva

Núcleo de Estudos, Pesquisas e Extensão em Sexualidade, Corporalidades e Direitos (SEXCORP/UFT-Brasil).

 

Jorge Agurto Aguilar

Servicios de Comunicación Intercultural (SERVINDI/GTV-Perú).

 

José Lauro Martins

Observatório de Pesquisas Aplicadas ao Jornalismo e ao Ensino (OPAJE/UFT-Brasil).

 

José Tarcísio da Silva Oliveira Filho

Laboratório Lugares e Espaços Contemporâneos: Jornalismos, Migrações e Audiovisual (LUGARES/UFRR-Brasil).

 

Juan Fernando Muñoz Uribe

Grupo de Investigación Educomunicación y Media Literacy (EDUCOM/UPB-Colombia).

 

Juliano José de Araújo

Grupo de Pesquisa e Extensão em Audiovisual (GPEA/UNIR-Brasil).

 

Julio Adolfo Bravo Mancero

Grupo de Investigación en Medios y Artes Narrativas e Interactivas (MANICECDE/UNACH-Ecuador).

 

Karina Olarte Quiroz

Asociación Boliviana de Investigadores de la Comunicación (ABOIC/UCB-Bolivia).

 

Keshia Braithwaite

Centre for Communication Studies (CCS/UOG-Guyana).

 

Leila Lima de Sousa

Grupo de Pesquisa em Comunicação, Política e Sociedade (COPS/UFMA.Imperatriz-Brasil).

 

Letícia Conceição Martins Cardoso

Observatório de Experiências Expandidas em Comunicação (OBEEC/UFMA.Imperatriz-Brasil).

 

Li-Chang Shuen Cristina Silva Sousa

Laboratório Integrado de Pesquisas e Práticas Jornalísticas e Culturais (LABJOR/UFMA-Brasil).

 

Libio Palechor Arévalo

Programa de Comunicación Propia Intercultural (PCPI/UAIIN-Colombia).

 

Lisiane Machado Aguiar

Observatório Cultural da Amazônia e do Caribe (AMAZOOM/UFRR-Brasil).

 

Lucas Milhomens Fonseca

Observatório Cultural da Amazônia e do Caribe (AMAZOOM/UFAM.Parintins-Brasil).

 

Luis Camilo Kunstek Salinas

Carrera Comunicación Social (CCS/UCB-Bolivia).

 

Luis Fernando Sarango Macas

Centro de Formación para Jóvenes Indígenas de Medios Comunitarios (CEFOR/PAW-Ecuador).

 

Maíra de Cássia Evangelista de Sousa

Grupo de Pesquisa Ubiquidade na Comunicação (UBICOM/UNAMA-Brasil).

 

Marc Pavé

Observatoire Hommes Milieux Oyapock (OHM/UGUY-Guyana.FR).

 

Marquis Alí León

Centro de Experimentación para el Aprendizaje Permanente (CEPAP/UNESR-Venezuela).

 

Nelson Russo de Moraes

Grupo de Pesquisa em Democracia e Gestão Social (GEDGS/UFT-Brasil).

 

Nelsonia Persaud Budhram

Centre for Communication Studies (CCS/UOG-Guyana).

 

Nishma Bharos

Cultureel Centrum Brazilië-Suriname (CCBS/UVS-Suriname).

 

Noel Padilla Fernández

Centro de Experimentación para el Aprendizaje Permanente (CEPAP/UNEARTE-Venezuela).

 

Norah Shallymar Gamboa Vela

Centro de Experimentación para el Aprendizaje Permanente (CEPAP/UNESR-Venezuela).

 

Paloma Mohamed

Centre for Communication Studies (CCS/UOG-Guyana).

 

Pâmela Saunders Uchôa Craveiro

Grupo de Pesquisa em Comunicação, Política e Cidadania (CICLO/UFMT-Brasil).

 

Paulo Jorge Martins Nunes

Grupo de Pesquisa Academia do Peixe Frito (APF/UNAMA-Brasil).

 

Paulo Vitor Giraldi Pires

Grupo de Pesquisa em Comunicação, Mercado e Tecnologia (COMERTEC/UNIFAP-Brasil).

 

Rafael Sbeghen Hoff

Grupo de Pesquisa em Processos Imagéticos (PRIMA/UFAM-Brasil).

 

Ramon Bezerra Costa

Grupo de Pesquisa Comunicação, Tecnologia e Economia (ETC/UFMA-Brasil).

 

Renan Albuquerque Rodrigues

Núcleo de Estudos e Pesquisas em Ambientes Amazônicos (NEPAM/UFAM-Brasil).

 

Renata de Bies

Cultureel Centrum Brazilië-Suriname (CCBS/UVS-Suriname).

 

Rosane Maria Albino Steinbrenner

Observatório de Comunicação, Culturas e Resistências na Pan-Amazônia (OBSERVAPAM/UFPA-Brasil).

 

Roseane Arcanjo Pinheiro

Grupo de Pesquisa Jornalismo, Mídia e Memória (JOIMP/UFMA.Imperatriz-Brasil).

 

Roslin Khan

Faculty of Education and Humanities (FEH/UOG-Guyana).

 

Rudi Henri Van Els

Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em Energia (JIPE/UNB-Suriname).

 

Ruth Irene Arias Gutiérrez

Grupo de Investigación Análisis Territorial e Gestión Ambiental con Conocimiento Indígena (ATEGACI/UEA-Ecuador).

 

Samilo Takara

Grupo de Pesquisa em Estudos Culturais e Educação Contemporânea (GEPECEC/UNIR-Brasil).

 

Sara Karenina Pizarro Lozano

Facultad de Ciencias y Artes de la Comunicación (FACACO/PUCP-Perú).

 

Seon Quamina Hamer

Faculty of Earth & Environmental Sciences (FEES/UOG-Guyana).

 

Sonia Uruburu Gilède

Grupo de Investigación Comunicación, Paz/Conflicto (GICPC/USTA-Colombia).

 

Soriany Simas Neves

Grupo de Pesquisa em Comunicação e Cotidiano na Floresta (COMMUNITAS/UFAM.Parintins-Brasil).

 

Stéphane Granger

Institut des Hautes Etudes de Guyane (IHEG/UGUY-Guyana.FR).

 

Tamires Ferreira Coêlho

Grupo de Pesquisa em Comunicação, Política e Cidadania (CICLO/UFMT-Brasil).

 

Tatiane Hilgemberg Figueiredo

Observatório Cultural da Amazônia e do Caribe (AMAZOOM/UFRR-Brasil).

 

Telma Kotzebue

Cultureel Centrum Brazilië-Suriname (CCBS/UVS-Suriname).

 

Theleisha de Souza

Centre for Communication Studies (CCS/UOG-Guyana).

 

Thelmy Maria del Carmen Mendoza Michilot

Facultad de Comunicación (FACOM/U.LIMA-Perú).

 

Tibisay León Rodríguez

Centro de Experimentación para el Aprendizaje Permanente (CEPAP/UNESR-Venezuela).

 

Vângela Maria Isidoro de Morais

Observatório Cultural da Amazônia e do Caribe (AMAZOOM/UFRR-Brasil).

 

Vânia Maria Torres Costa

Grupo de Pesquisa Narrativas Contemporâneas na Amazônia Paraense (NARRAMAZÔNIA/UFPA-Brasil).

 

Wagner da Costa Silva

Grupo de Pesquisa Jornalismo, Culturas e Artes na Amazônia (JOCAM/UFAC-Brasil).

 

Willian Jairo Mavisoy Muchavisoy

Grupo de Investigación Educación Rural Intercultural (GIERI/UNICAUCA-Colombia).

 

Yvets Morales Medina

Núcleo Transmetodológico de Investigación de la Comunicación (YLLANAY/GTV-Ecuador).

Volumes lançados:

Obras publicadas na Série Tuna’Po’tîrî: Comunicação e Saberes Amazônicos:

A série aceitará submissão de propostas de livros de autores de qualquer nacionalidade, desde que apresentadas em qualquer das línguas correntes na Pan-Amazônia. Ela receberá propostas de manuscritos de livros, na qualidade “autoral” ou “organização”, que atendam à proposta editorial norteadora da série “Tuna’Po’tîrî: Comunicação e Saberes Amazônicos”.

 

O procedimento de avaliação obedecerá às seguintes etapas:

 

1. Análise da forma: os textos serão submetidos à leitura dos editores e avaliados quanto a sua adequação aos critérios gerais da série, assim como a um controle mínimo de qualidade textual (ortografia, formatação, citações, referências etc). As propostas consideradas não aptas serão devolvidas aos autores com a sugestão de que sejam reformuladas, para efeito de nova submissão e avaliação em outra oportunidade. Os trabalhos considerados aptos seguem para a fase seguinte.

 

2. Análise do mérito por pares: nessa fase, a proposta é encaminha, sem identificação do autor a, no mínimo, dois pareceristas da área temática específica do trabalho (membros do corpo editorial científico ou convidados ad hoc). A avaliação considerará os seguintes critérios: contribuição para a área; originalidade do tema e/ou do tratamento dado ao tema; consistência argumentativa; rigor da abordagem teórico-metodológica; qualidade geral do texto. Os pareceristas podem aceitar plenamente o manuscrito, aceitar solicitando reformulações ou recusá-lo. Qualquer uma das hipóteses é justificada por um parecer consubstanciado. Quando os dois pareceristas recusarem o manuscrito, o mesmo será devolvido ao autor. Quando os dois pareceristas aceitarem o manuscrito, ele passará à fase seguinte. Quando um ou os dois pareceristas solicitarem reformulações, o manuscrito será devolvido ao autor, solicitando que o mesmo considere os pareceres e reformule sua proposta. Ao reenviar sua proposta reformulada segundo as sugestões dos pareceristas, a mesma será reavaliada e passará à fase subsequente.

 

3. Revisão e adequação final do trabalho às normas editoriais da Editora Fi. Caso necessário, o manuscrito será encaminhado ao autor com as sugestões de correções e adequações finais, a fim de ser finalmente encaminhado à publicação.
 

4. Proposta final para publicação. Após os ajustes finais pelo(s) autor(es) o livro será finalmente encaminhado à publicação, após aceite da proposta formal, constando dos custos para editoração, conforme política da Editora Fi (vide menu “Como Publicar”).

 

Em função desse procedimento, solicitamos que o nome dos autores não apareça no corpo das propostas. Pede-se também a eliminação de trechos que prejudiquem a garantia de anonimato da avaliação e de dados de identificação nas propriedades do documento.

 

As propostas de livros devem ser apresentadas por conhecedores tradicionais, pesquisadores, professores e/ou pós-graduandos (mestrandos ou doutorandos). Os capítulos do livro não necessitam ser inéditos, desde que tenham sido publicados em periódicos indexados. Todavia deverá ser informado, em nota de rodapé, onde o material foi publicado anteriormente.

 

O prazo máximo para análise das propostas será de até 60 dias, a partir da data do recebimento.

 

Para submeter seu original a este processo, devem ser enviadas aos editores da série “Tuna’Po’tîrî: Comunicação e Saberes Amazônicos”, por email (vjrsanti@gmail.com):

 

  • Formulário de submissão do manuscrito;

  • Uma breve apresentação do livro (formato livre, no máximo duas páginas);

  • Arquivo com versão não identificada do manuscrito do livro.

 

O manuscrito do livro deverá ser submetido em um único arquivo, formatado de acordo com as normas da ABNT ou APA, obedecendo as seguintes especificidades:

 

  • Formato doc ou docx;

  • Papel formato A4 na orientação retrato, cujas margens devem estar definidas em esquerda e direita  3 cm, superior e inferior em 2 cm;

  • A fonte padrão é a Arial ou Times New Roman no tamanho 12 regular para o corpo do texto; tamanho 14 em caixa alta para os títulos; tamanho 12 em caixa alta para os subtítulos 1; tamanho 12 em negrito para os subtítulos 2; tamanho 12 regular para os subtítulos 3; e, tamanho 10 para as notas de rodapé;

  • As páginas deverão estar numeradas (canto superior direito);

  • Os parágrafos deverão estar justificados e formatados sem recuo para esquerda e direita; recuo especial de primeira linha em 1,25 cm; espaçamento zero antes e depois; e de 1,5 pontos entre linhas.

  • O manuscrito deverá conter todos os elementos pré-textuais e pós-textuais que o autor desejar constar no livro, inclusive prefácio e posfácio.

 

A série “Tuna’Po’tîrî: Comunicação e Saberes Amazônicos” receberá propostas de dissertações e teses para publicação, desde que adaptadas e revisadas para o formato livro e desde que atendam as especificações editoriais da série.

 

Observações importantes:

 

  • A série “Tuna’Po’tîrî: Comunicação e Saberes Amazônicos” tem foco acadêmico e a seleção de títulos será sempre coerente com esse perfil editorial.

  • O recebimento de originais não implica qualquer compromisso de publicação.

  • A resposta da Análise Editorial será encaminhada ao autor, podendo ser de maneira objetiva, sem o detalhamento das razões pelas quais se chegou àquela conclusão, seja ela positiva ou negativa.

  • Será mantido sempre o sigilo de seus pareceristas.

  • A decisão do Comitê Editorial é final e soberana. Os diretores da série colocam-se à disposição para dirimir eventuais dúvidas remanescentes sobre o processo de envio.

 

A Editora FI especializa-se em tornar o conhecimento científico acessível a todos. De modo que seus livros são publicados sob direitos da Creative Commons 4.0, tornando-se gratuitos e disponíveis para download em PDF, assim como disponíveis em Loja Virtual de Impressos da editora (www.editorafi.org). O custo da impressão é estipulado de acordo com a quantidade de páginas do livro.

© 2020 por LUCAS MARGONI & WIX ENGINE.

Todos os livros publicados pela editora Fi

estão sob os direitos da Creative Commons 4.0